29 de agosto de 2012

Este não é só mais um blog de Au Pair...


Oi queridas! Tudo bem com vocês? Prometi para mim mesma que jamais ficaria tanto tempo sem postar novamente... Cá estou, buscando no fundo do baú alguma inspiração para escrever...

Não é todo dia que as palavras fluem com facilidade, porém, hoje vamos dizer que o dia é inspirador, pelo menos para mim. Sim, senhoras e senhores, hoje completo mais um aninho de vida! Cheguei a casa dos Vinte e QUATRO. Ó céus. Estou me sentindo velha. Deve ser aquela famosa crise dos vinte e poucos anos. Fase em que começamos a nos questionar o que fizemos da nossa vida até aqui, o quanto valeu à pena. Afinal já se passou mais de ¼ de vida! Agora a sociedade ri da nossa cara e começa a esfregar na fussa que está na hora de comprar um apartamento, está na hora de casar, pensar em procriar, pensar na aposentadoria.



Como assim você não paga INSS??? Ahhh, está pensando em previdência privada!!! Entendi...

Bom, falando em aniversário... hoje fiquei pensando como é estranho/diferente completar mais um ano de vida na era do Facebook. Eu ainda não sei quantas felicitações eu recebi no meu perfil, pois não tenho internet em casa (sim, é possível sobreviver com essa condição, acredite), mas mais do que isso... me questiono qual é a verdade nesses cumprimentos. Quantas dessas pessoas teriam lembrado, ou sequer saberiam que hoje é o MEU DIA!?

Na era do Facebook, meu celular tocou apenas 5 vezes hoje. Quem me ligou? Pai, mãe, madrasta e duas amigas-irmãs.  O nego não está nesta lista porque lindo que é, me desejou feliz aniversário exatamente à meia-noite, hora do “dia” que costumamos nos falar. Um fofo, eu sei!

Fico triste ao constatar que as relações se tornaram tão superficiais. Sério gente, é triste. Cadê o calor humano? Hoje, vizinhos só se falam pelo Face, irmãos só se mandam SMS... Acho que aqui cabe aquela máxima que diz “Internet: aproximando quem está longe e afastando quem está perto”. #fataço

Seria muito injusta se dissesse que recebi apenas recados superficiais. Claro que não. Recebi lá recados extremamente carinhosos, repletos de sentimentos, repletos de saudade. Já disse que responderei um a um, com toda a atenção que cada um merece, com muito prazer.

Gente, só queria dizer pra vocês que eu tive o final de semana mais incrível que um ser humano pode imaginar. Ainda na sexta viajei para ver meu nego em Imbé (uma cidade no litoral aqui do RS). De carro a viagem é tranqüila, leva duas horas e meia... Como sou pobre e curto uma farofa eu fui de busão né, só que aí, a viagem demora 4 ou 5 horas.

Pensem o pânico... Na sexta saí correndo do escritório para pegar o busão até Porto Alegre. Saímos pontualmente às 18h10. A chegada era prevista para 20h10. Um tempo razoável para uma viagem de 160km. Eis que, para meu desespero pegamos um congestionamento horrível em Canoas (região metropolitana) e eu acabei chegando em Porto exatamente 20h58, sendo que as 21hs partiria meu segundo ônibus, desta vez para o destino final. Gente, vocês jamais conseguirão imaginar o pânico. Este busão das 21hs era o último para o litoral. Eu corria o risco de ter que dormir em Poa. Mas onde??? A pobretona ia ficar na rodoviária mesmo...

Rodoviária de Porto Alegre

Masssssssssss Deus é muito criativo né... sempre resolve. Quando chegamos próximo da rodoviária já fui até a cabine do motorista e dei a louca, largando uma de Drama Queen pra ele. Ele todo querido e prestativo correu logo para pegar minha mala no bagageiro e depois foi descer os outros passageiros. 

Não adianta, eu curto mesmo uma colonagem. Peguei minha mala no braço e fui literalmente correndo garantir a passagem da segunda etapa da viagem (só de ida...), e só tinha como viajar de pé. O busão estava lotado. Cheguei na plataforma de embarque quando o motorista estava fechando o maleiro. Ahhhhhhhh que maravilha. Eu havia conseguido. (Obrigada Senhor por ouvir minhas preces!)

 Sorte ou não, acabei conseguindo sentar no lugar reservado aos deficientes/grávidas/idosos. Claro que me certifiquei antes se alguém iria precisar deste lugar. Eu tenho bom censo gente.

Quando deu 23h40 avistei meu Nego lindo me esperando na rodoviária. Que feliz, que feliz!!!!!! Cada dia de saudade valeu à pena. Aqueles foram os melhores abraços e beijos que já nos damos na vida. Um abraço de saudade/reencontro/amor/carinho um beijo terno, afetuoso, caliente... Tudo junto e misturado. Uma loucura. Uma delícia.

Dormir de conchinha é definitivamente a melhor coisa do mundo. Esses dois dias e duas noites foram perfeitos. Assim que cheguei fomos à beira-mar comer crepe (aqui se fala creps mesmo) de siri e camarão que eu adoro. Ficamos ali vendo o mar, a Lua prateada refletida na linha d’água, a brisa gelada, os navios petroleiros ancorados, com suas luzes dançantes e um pescador solitário... tudo tãooooooo romântico. Nem podia acreditar que eu estava ali. Que era verdade...


Imbé

Sábado foi outro dia que merecia virar letra de música, pintura na tela, foto novela.  Acordamos tarde, preparamos almoço e depois fomos até o empreendimento da família ajudar a mãe dele. Ganhei um bolo de aniversário da minha sogra que estava uma delícia. Saímos para escolher um na padaria de Tramandaí. Escolhi de morangos, nata e brigadeiro Fiesta. DIVINO!

Em seguida fomos para casa aproveitar a companhia um do outro. Ficamos no sofá ouvindo Queens, degustando um Merlot em frente à lareira. Coisa de novela mesmo. Tudo muitooo perfeito. Decidimos que jantaríamos mais tarde para comemorar meu aniversário. Mal sabia ele que eu estava tendo o melhor aniversário da minha vida desde que eu cheguei lá.

Escolhemos comer panqueca em um restaurante bem charmosinho à beira-mar... mais uma vez me senti no céu. Era tudo muito perfeito... Música ao vivo, meia luz, e lá fora um jardim lindo que brilhava debaixo de uma fina camada de chuva. Na frente, o mar e aquela Lua mais linda ainda.



Assim que chegamos em casa e nos deparamos com a lareira acesa, decidimos que ali passaríamos a noite. Aquecidos pelo fogo envolvente que mais parecia um casal de bailarinos em uma moldura de tijolos. Arrumamos nosso ninho em frente ao fogo e nos concentramos em ouvir nossa respiração e o estalar das brasas vermelhas. Que sonho!!!! Alí senti a plenitude. Eu poderia partir para o céu naquela hora. Eu estava repleta de vida naquele momento. Com minha fé no nosso relacionamento renovada. Com a certeza de que vamos sobreviver à distancia e ao tempo.

Acordar no domingo foi uma delícia. Os dois cheios de manha... trocando carinhos. Ali eu ganhei uns 300 beijinhos. Um mais delicinha que o outro. Meu melhor presente de aniversário... Mais tarde, a sogra caprichou no almoço, e depois de comer um prato muito delicioso chamado “Vai sabê”, cujo eu nem ousei perguntar o que era, cortei fatias do meu presente de aniver,. a torta super-ultradelicia.

Por falar em presentes, ainda na sexta à noite ganhei do meu nego o que ele chamou de “um dos presentes”. Era uma caixinha branca, muito simples. Sem laços ou fitas. Dentro o presente mais lindo de todos. Uma caneca de cerâmica com uma foto nossa impressa. Gente, eu chorei. Eu jamaissssssssss imaginei que ele fosse capaz de fazer isso. Ele é muito prático. Não dá bola para formalidades. Jamais pensei que ele pudesse pensar em um presente tão cheio de sentimento como esse... Que demandasse de tempo e espera para ficar pronto. Eu nem consigo imaginar qual será o outro presente. Ahhh se ele soubesse o quanto já me sinto satisfeita...

Bueno... depois do almoço e da preguiça que vem depois do almoço, que até nos exigiu uma soneca no sofá, fomos à um barzinho assistir ao jogo o Imortal. Mas não era qualquer jogo. Era Gre-nal! Quem ganhou?? Quem??? Meu tricolor, claro! Eu não queria nem pensar na despedida que estava se aproximando. Dezoito horas era o nosso prazo final. Fiquei ali, agarrada no braço dele, torcendo para que o relógio andasse para trás.

Fomos até a rodoviária e eu já chorava como uma criança. Estava feliz pelos momentos incríveis que passamos juntos, mas triste por ter que partir. Coloquei a mala no ônibus, nos abraçamos mais uma vez e embarquei. Da viagem de duas horas até Porto Alegre, uma delas passei chorando e agradecendo à Deus pelo presente que Ele havia me dado.

Cheguei em casa à meia noite. Meia noite e quinze ainda estávamos pendurados no celular, eu contado da viagem e ele escutando solícito entre um bocejo e outro.

Só posso dizer que eu faria tudo de novo agora. Cada minuto dentro de cada ônibus valeu a pena. Me sinto cada dia mais fortalecida, mais forte pra enfrentar essa barra de estar tão longe dele. Mas ao mesmo tempo sinto uma urgência, uma necessidade de aproveitar com ele cada minuto que eu puder até a minha viagem. Agora faltam menos de dois meses e meio. E pensar que no meu próximo aniversário eu estarei a 10 mil milhas de distância já dói.


Chego aos 24 anos completamente realizada com a minha vida. Feliz com as mudanças que estão por vir. Sinto como se estivesse entrando em férias após tantos anos de trabalho ininterrupto e estudos maçantes. Absolutamente satisfeita com o rumo que estou dando à minha vida. Grata a Deus pelos dois presentes maravilhosos que ele poderia me dar, e ao mesmo tempo: Uma experiência internacional e ter comigo, ao meu lado a pessoa mais fantástica que eu já conheci, meu nego. Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh o que faz o amor não é mesmo?! Que torpor é esse? Estou tão baboba/bobona...

Deixei de pensar que tenho que fazer uma escolha. Que tenho que optar por uma coisa ou outra. Ter o amor da minha vida comigo ou ter essa experiência de vida fora do país. Eu escolho os dois. Eu quero os dois. Uma coisa completa a outra e juntas me completam. Logo de cara meu relacionamento passará por uma prova de fogo e passará ileso e lindo por ela. Tenho tanta fé nisso que nem eu sei de onde vem. Aliás, eu sei sim. Vem dEle.

E agora vocês devem estar se perguntando o seguinte?! Esse aqui não era um blog de Au Pair? Que ia nos ajudar a fazer host letter, vídeo para APP, tutorial para visto e etc? Sim, você está certa. Ele era. Agora ele é só o meu “diário”. Sobre application e afins você encontra um milhão de outros blogs e sites. Temos também os grupos do Facebook. Aqui você vai encontrar a MINHA história. A minha trajetória, coisas ligadas ou não ao programa. 

O objetivo desse blog passou a ser relatar e organizar cronologicamente a minha vida nos EUA e o que vier antes e depois dela. Minha família irá acompanhar minha viagem por aqui. Meus amigos também.

É claro que jamais me importarei em responder qualquer dúvida que possa surgir, sobre qualquer parte do processo. Também estou aqui para isso. Mas agora, esse é exclusivamente o meu diário e compartilharei aqui o que eu achar conveniente, como esse meu super-power-ultra-master-supra final de semana, por exemplo.

Sugiro que vocês acompanhem também O Blog das 30 Au Pairs. Lá você encontra praticamente um manual de instruções sobre o programa. Eu sou uma das colaboradoras do blog e escrevo lá todos os dias 27 de cada mês. Adoraria ter a companhia de vocês lá também.




  
Se eu estou nessa crise dos vinte e poucos? Devo estar. Disse não a uma proposta de emprego dos sonhos em um hospital para ser Au Pair. Só pode haver muita insanidade nisso. Mas e daí?! Eu nunca disse que sou normal!



2 comentários:

Tarciana disse...

Oi, querida!!! Sou eu, a Tarciana do www.amigadotiosam.blogspot.com.br, vi seu comentário lá e passei aqui para retribuir a visita. Lembrei que já tinha estado aqui, mas havia anos que vc não publicava nada. =) êêê que bom que voltou!! :) Parabéns, viu??!! Tudibom!! Mas acho que não preciso desejar muita coisa não.. dps de uma lareira, um pacote de bolachas, seu nego e sms de pessoas que TE AMAM, nada que eu falar aqui terá o mesmo valor!! =) um beijo grande e sorte no processo!! PS: pode sim usar o trecho ou o texto todo... vou adorar ser citada novamente... hahahaha... 3X!! Não achei que aquele post fosse bombar assim!! hahahaaha beijos!!

Má Eugênia disse...

Eu perdi muita coisa! ahahaha
QUE POST LINDO!!
Lembrei muito do meu amor que está aí no Brasil... dos nossos últimos momentos juntos este ano... que lindos vocês dois!!!
Que bom que você voltou!!!
Beijoos!!

Postar um comentário